Blog Coletivo

Blog coletivo - Para colaborar com este blog, veja a página "Como participar".

Amigo seguidor, faça parte da lista "Amigos Lado a Lado nesta Terra". Veja como em "Como participar".

Pesquisas - Nossa primeira pesquisa é sobre o Pau-Brasil. Veja na página Pesquisas e caminhe de mãos dadas com a Terra.

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Acompanhando a Gomeira, uma Árvore Nativa do Cerrado

Gomeira no início da floração - Foto feita em 02 de nov. deste ano

Foto do dia 15 de nov./2012

Foto de 15 de nov./2012

Gomeiras - Fotos de 02 de novembro

Gomeiras - Fotos de 25 de novembro

A Gomeira, árvore nativa do Cerrado, é também conhecida como goma-arábica, árvore-de-goma-arábica, gomeiro-de-minas, pau-d'água, pau-de-vinho, casca-doce, entre outros nomes populares. É da família vochysiácea, tendo como nome científico Vochysia elliptica (essa espécie das fotos). Há alguns anos vejo essa árvore de flores vistosas, mas nada sabia sobre ela. Dia 15 deste, clicando uma delas, conheci uma engenheira florestal,* que me informou seu nome. A partir daí minha pesquisa ficou bem mais fácil. Fiquei sabendo, por exemplo, que as gomeiras de Brasília são mais altas que as de outros locais do cerrado, sendo, em alguns lugares, apenas um arbusto; que medem entre 4 e 11 metros; que, assim como o eucalipto e a acácia, produzem goma, por isto chamada de gomeira, goma-arábica e árvore-de-goma-arábica e que da casca de seus frutos pode-se fazer lindas bijuterias.**   
  
 As Gomeiras das fotos deste post são das redondezas de Brasília. Vamos reunir gomeiras de outras localidades?  Mostrá-las e acompanhá-las durante um ano? Contamos com você, amigo/amiga que por aqui passa.

---------------
     
* Elisa, jovem Engenheira Florestal.
**Veja algumas bijuterias em: Yasaí Biojóias.
Veja também sobre a gomeira no site Árvores do Distrito Federal.

---------------

Durante esta semana faremos um passeio pelo cerrado em: Multivias - A Natureza em Fotos e Variedades  (Flores do Cerrado) e Natureza e Viver Sustentável (Céu, Paisagens e Formas do Cerrado). Venha nos acompanhar!   

---------------------------------------------

sábado, 13 de outubro de 2012

Formigas Verdes


Ilustração oriunda da internet.
Matéria publicada no "Um blog que pensa" em 15/07/2012.
Na região leste australiana, no estado de Queensland, existe uma espécie endêmica de formiga chamada de formiga verde porque possui o abdômen dessa cor. Talvez por existir apenas naquela região não é muito conhecida pelos entomólogos e não figura em destaque em quase nenhuma produção literária, aliás, nem mesmo os australianos de Queensland sabem muita coisa sobre ela.
Talvez nunca se viesse a conhecer qualquer coisa a respeito dessas formigas se não fosse o cineasta alemão Werner Herzog que fez um filme nem um pouco conhecido que tem como atração a fantasia mística que esses insetos exercem sobre o imaginário de tribos aborígenes que vivem no out back e têm as formigas como portadoras de bons augúrios. “Onde sonham as formigas verdes” é o nome da obra do diretor alemão. No coração selvagem da Austrália, um grupo de aborígenes de uma tribo em extinção defende um local sagrado contra o avanço dos tratores de uma companhia de mineração. É o local onde sonham as formigas verdes. Perturbar o seu sonho irá destruir a humanidade, eles acreditam. Os nativos entram em conflito com as leis da Austrália moderna, e a disputa é feita em um tribunal.
Não é caso de falar sobre as mensagens do filme onde há um confronto dos valores cultuados pelos nativos com o capitalismo selvagem que só vê lucro a tirar daquele pedaço de deserto. Mas, vale falar sobre como os australianos nativos incorporam as verdes formigas à sua cultura.
Em meados dos anos setenta, geólogos da Queensland Mines Ltd. se depararam com um pequeno sítio de terra numa região remota da Austrália, região norte de Nabarlek que acabou sendo o mais rico depósito de urânio do Planeta. O minério enterrado abaixo da paisagem encontra-se em formações altamente concentradas de fácil acesso, a menos de 18 metros de profundidade. Assumindo que os direitos de mineração poderiam ser facilmente obtidos a partir dos proprietários indígenas, a empresa australiana rapidamente assinou contratos para vender US $ 60 milhões de minério para empresas japonesas. O que os executivos de mineração não levaram em conta foi a relutância dos indígenas em perturbar as formigas verdes que vivem perto do local.
A formiga verde é um incômodo para os moradores de regiões urbanas e suburbanas da Austrália. As formigas geralmente constroem seus ninhos no subsolo sob a maioria dos tipos de gramíneas, ninhos que muitas vezes passam despercebidos até que alguém, ou às vezes algum animal, é mordido. A mordida da formiga em si é muitas vezes invisível, no entanto, o veneno que ela injeta através de uma picada, em seu abdômen, inicia uma forte sensação de queimadura segundos após a picada e permanecendo por um tempo de cinco minutos até duas horas ou às vezes mais. O veneno é geralmente inofensivo, mas se um grande número de mordidas for recebido de uma só vez, a enorme quantidade de veneno injetado no corpo às vezes pode tornar uma criança pequena doente por algumas horas ou mais, geralmente nada para se preocupar, exceto um choro perseverante que incomoda os adultos.
Contudo, para os australianos nativos que são místicos e cultuam a natureza com uma mãe benfazeja que tudo lhes dá sem nada pedir em troca, a existência das formigas verdes naquele pedaço de chão é um sinal de fartura e futuro tranquilo. Qualquer mudança no clima ou nas condições do terreno que prejudique ou impeça o sonho das formigas é um mau sinal que angustia suas mentes e traz desconforto social para todo o povo porque o mundo pode acabar. Elas fazem tudo para preservar o ambiente das formigas, equivale dizer, eles preservam a natureza e pouco modificam as condições em que elas vivem. 
Então, como entender que homens brancos, movidos por alguma coisa tão execrável como dinheiro, quisessem cavar o solo e desalojar as formigas que ali viviam por milhares de anos sem serem incomodadas e sem incomodar ninguém? Como entender que homens ditos civilizados pudessem matar as formigas para se apossar de um produto enterrado no solo que os nativos nem sabiam para que servia, e que, mesmo aqueles escavadores incréus não sabiam explicar exatamente qual era seu uso?
O conflito resultante da visão mística e até certo ponto ingênua dos aborígenes, e da fome de lucro dos capitalistas em explorar as jazidas de urânio, deu azo ao filme de Herzog. O que vemos na obra é o choque de cultura, o abismo enorme criado entre a visão natural dos nativos e a prepotência do homem branco. É um filme sobre as coisas pequenas e simples que vão além de qualquer ganância ou providência que o dinheiro pode tomar. Os nativos, mesmo seduzidos com a promessa de milhões de dólares a ser doados à sua comunidade em troca da exploração das minas, não aceitaram perturbar o sonho de suas amadas formigas, deitaram-se no solo e impediram que as máquinas iniciassem os trabalhos de escavação. A “disputa” entre esses liliputianos ecologistas, contra os gigantes operadores de máquinas famintas e poderosas, se estendeu por vários meses até que o capital irracional perdeu a luta e resolveu procurar urânio em paragens onde não moram nativos e tampouco existem formigas verdes.
Há que se notar que, a não ser pelo filme de Herzog, a imprensa mundial jamais publicou uma linha sequer sobre esse incidente em que uma comunidade, “selvagem” por definição, travou uma luta contra todo-poderosos empresários e saiu ganhando. Que o sonho das formigas verdes não seja perturbado jamais em nome daqueles que se preocupam com a sobrevivência da humanidade. JAIR, Canoas, 12/07/12.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Flores do Pau-brasil






No próximo dia 21 comemora-se o Dia da Árvore. Já a primavera de 2012 começa dia 22. A árvore de pau-brasil que acompanhamos está nos lembrando isto, toda florida. 

A baixa umidade de nossa região quer prejudicar a primavera deste ano, com muitas folhas amareladas, mas a natureza é mais forte. Com chuvas ou sem chuvas as flores estão por toda parte anunciando que a bela estação está chegando. De nossa parte a alegria é total, pois enfim vimos as flores do pau-brasil. São duas árvores plantadas na calçada de uma vizinha. Não há fiação elétrica nesse lado da rua, para sorte de todos. 

Uma boa primavera e... Plante uma árvore!

--------------

28-09-2012 - Atualização

O tronco que aparece na quarta foto e plano de fundo da colagem não é de pau-brasil. É de uma arvoreta que está entre as duas árvores do pau-brasil. Achamos melhor postar mais fotos do pau-brasil para que não fique nada confuso. Vejam as imagens seguintes:

Pau-brasil 

Pau-brasil
Bom fim de semana!

------------------------------------------

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Aves do Cerrado Brasileiro

Através do Identificando Pássaros deste blog aprendi a identificar algumas aves que passam por mim. Nem todas consigo clicar, mas sempre que tenho oportunidade - e câmera a postos - faço o devido registro. Hoje deixo mais algumas. Vamos identificá-las?








Uma ótima semana com muitos pássaros sempre por perto!

--------------------------------------------------

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Futebol Diplomático

Em nosso futebol sempre há jogadores criativos, por isto conhecidos por todos. A historinha que conto hoje aqui é dos anos 80. Ela mostra como nosso futebol é incrivelmente um 'abridor de portas' e sorrisos. Escrevi a crônica para o blog Multivias - A Natureza em Fotos e Variedades em  março de 2009, com o título Recordações de um país distante II, reeditando-a quarta-feira, após o jogo do Brasil, no mesmo blog. Vamos conferir? 


Cartão Postal de Teerã, anos 80.

Tendo trabalhado no Instituto Francês de Teerã, morei no Irã no final da década de 70 e início dos anos 80. Isto quer dizer que estava lá exatamente durante o iniciar e o fervilhar da revolução iraniana. Vi a saída, ou melhor, a fuga do Xá Reza Pahlevi e a chegada triunfal do Ayatollah Khomeini. Fui a única brasileira residente em Teerã durante essa guerra civil. Não sei se a única residente em todo o Irã, mas em sua capital, Teerã, sim.

Não, não quero falar nem me lembrar de guerras, de mortes, de tristezas. Hoje quero me recordar de coisas boas, que afastam guerras e trazem Paz.

Quando cheguei ao Irã não sabia falar uma só palavra em farsi, a língua oficial daquele país. A ‘linguagem universal’ – a mímica – me socorria nas situações mais difíceis. Felizmente muitas pessoas sabiam falar inglês ou francês. O Irã possui várias línguas, sendo o farsi o idioma oficial. Não disse dialetos, disse línguas. No Brasil, por exemplo, há uma unificação em relação ao idioma. A língua portuguesa, com seus vários dialetos, (sim, dialetos!) é única em todo nosso território.
Pili

Apesar da dificuldade de comunicação inicial, a ‘brasili’ – a ‘brasileira’ – era tratada como uma princesa saída do reino de “Pili”. Um reino de um país ensolarado chamado Brasil. Aonde chegava só ouvia “Pili”. Era Pili prá cá, Pili prá lá. No início sorria de volta, sem saber bem o que queriam dizer com “Pili”. Às vezes repetia sorrindo: “Pili, Pili!” Mas logo descobri: “Pili” era o amado e idolatrado Pelé. Sabia que nosso rei era conhecido internacionalmente, mas nunca imaginei que fosse tão popular entre os povos da Ásia, principalmente os do Oriente Médio. Alguns sorridentes iranianos acompanhavam o “Pili” com algumas sílabas impronunciáveis que descobri depois ser “Garrincha”. Era nosso futebol levando nas bolas chutadas com maestria o nome de nosso país. Um incrível futebol diplomático. Um futebol que abria portas e ultrapassava fronteiras, unificando esse mundão e retirando ‘as torres de babel’ por onde o brilho das bolas passava. Sim, um futebol diplomático, nota mil, como eram as boladas de Pelé.

Que nasçam e vivam mais Garrinchas e Pelés, dando um exemplo de Paz através do esporte. Através do pipocar e do estourar... de bolas.

----------------------------------------------

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Olhando e Vendo o Simples - Do Amanhecer ao Anoitecer da Vida!

Saber ver e enxergar o simples à nossa volta é um ato de amor à natureza. Olhe o quanto de belo existe bem pertinho de você! E você faz parte dessa beleza, você é o centro do que existe de mais perfeito em nosso planeta. Este álbum começa nos mostrando o sol entrando em nossas vidas - um amanhecer. Estão também presentes as plantas e os pequenos seres que fazem parte do universo em que vivemos; são elos da vida. Do amanhecer ao anoitecer, de um dia e de nossa existência. DE NOSSA PERMANÊNCIA AQUI. Hoje crianças, amanhã idosos, hoje brincando entre plantas, amanhã entre nuvens. Pare um pouco. Abra as janelas. Respire. Não é preciso ir longe. Apenas olhar ao redor, vendo e enxergando além de você. Veja o quão perfeito e simples é a Vida que o Creador nos presenteou. PRESERVE-A, PARA QUE ELA CONTINUE. Veja, ame e viva, PRESERVANDO.

Nota: Para visualizar o álbum, clique na foto. Este álbum foi editado com fotos do blog "Multivias - A Natureza em Fotos e Variedades" e publicado em março de 2010.

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Sandices botânicas


As leguminosas estendem suas ansiosas gavinhas espiraladas lateralmente com a visível intenção de alcançar incautos vizinhos. Que haveriam de pensar tais plantas com esse gesto? Resposta rápida e tosca: NADA. Plantas não pensam, aliás, nem cérebro tem. Talvez aí resida a origem de suas atitudes estranhas: pelo fato de não possuírem cérebros, não lhes é possível entender que não podem agir com consciência. Então agem, talvez programadas geneticamente para assim procederem, não em decorrência de “decisão” consciente.
No campo mais amplo das florestas, lojisticamentre (de loja, não de logística) falando, a preocupação é mais vis-à-vis, isto é, árvores de porte não estão nem aí para leguminosas e suas gavinhas, elas não querem é ser abatidas para o comércio de suas carnes, as quais os lenhadores e afins costumam chamar de madeira. Pelo fato de lhes faltarem pernas para se distanciarem do machado que as machuca – embora o sândalo, num ato inexplicável, perfume esse instrumento de morte – elas são vítimas contumazes doHomo ignorantus que se autodenomina sapiens, o qual ceifa as maiores, mais robustas e de tronco mais retilíneo para uso em suas construções e malfeitorias madeirais.
Árvores e outros vegetais não têm crenças, não se guiam por supostos saberes religiosos que estabelecem vida depois da morte, mas intuem que existem infernos como o Saara e o Atacama e céu como Amazônia. Sabem por instinto que grandes civilizações botânicas floresceram onde hoje se encontra esses enormes desertos, sabem que densas florestas adornaram regiões que hoje só se vê areia, pedras e camelos. Sonham que algum dia o verdejar de suas folhas ressurjam nos recônditos áridos do Planeta. Sonham que um dia poderão viver em pleno consórcio com animais e minerais sem interferência de homens, que estes certamente já estarão servindo de insumo para suas raízes, pois assim é a ordem estabelecida pela natureza: mortos servem de alimento aos vivos.
Mirtáceas, nonáceas e monocotiledôneas e um amplo espectro de vegetais se unem num só frêmito incontido no intuito de fazerem-se notar na orquestra não fônica do mundo verde. Tais ações estão em completo acordo com o instinto de sobrevivência que é o sentimento comum de todos os seres carboníferos, vale dizer, replicadores e que nascem, crescem e morrem. Nenhuma sandice se os denominarmos de seres vivos. Da sequóia majestática ao humilde alface verde pálido, passando por miríades de árvores, arbustos, gramíneas e cactos o universo vegetativo traduz o que há de mais passivo e vilipendiado nos reinos da natureza. Vegetais sofrem a ação dos animais. Vegetais não lhes podem causar danos por ação direta, mas têm suas armas, se não secretas, pelo menos nem sempre ostensivas, como seus espinhos que são mais incômodos que fatais.
Os venenos produzidos por certas plantas são as armas com menor ou maior potencial de letalidade que elas possuem. Assim, curare e cicuta são duas das mais conhecidas de potentes peçonhas fabricadas pelas plantas, mas existem muito outras mais. Talvez o homem não se dê conta, mas cafeína, substância de baixo potencial peçonhístico, é um dos venenos mais usados pelo Homo desde muito tempo. THC (tetra-hidro-canabinol) veneno contido nas folhas, talos, flores e sementes da Cannabis sativa está associado ao uso de gente que deseja um estado alterado de consciência, mas também cura dores crônicas e tracoma, a chamada maconha é um santo remédio.
À parte essa faceta, digamos pernóstica dos vegetais, existe o lado sem o qual a vida animal no Planeta seria inviável. Plantas nutrem-se dos elementos químicos que retiram do solo, da água e do ar, transformam esses elementos em substâncias mais complexas que servem para nutrir os animais, ou seja, vegetais atuam como laboratórios de transformação cujos produtos finais são o alimento que permitem os animais viverem. Então, dentro da cadeia alimentar os vegetais “ intermedeiam” insumos entre a natureza bruta e o aparelho digestivo requintado dos demais seres. Plantas são repassadoras de energia, em outras palavras. Mas, o que ganham as plantas ao cederem alimentos aos animais? Simples, quando os animais morrem suas substâncias complexas voltam ao estado primitivo através da degradação (putrefação) e os elementos resultantes servem de alimento (adubo) para os vegetais, o ciclo se fecha finalmente.
Ainda existe outro fascinante exemplo de utilidade para as plantas. Chama-se dendrocronologia que é o nome da ciência que se vale do crescimento irregular das árvores para determinar a idade de coisas e eventos. Por exemplo, podemos usar um relógio de anéis de árvores para datar um pedaço de madeira que foi usado na construção de uma casa pioneira, nos primeiros povoamentos efetuados pelos colonizadores portugueses, com precisão de poucos anos. Assim como a existência dos anéis indica crescimento anual, também existem anos piores e melhores, pois as manifestações climáticas variam de ano para ano. O El - ninho, erupções vulcânicas de monta como a do Pinatubo em 1991, invernos rigorosos ou verões muito quentes, fazem com que o crescimento retarde ou acelere. Anos bons, do ponto de vista da árvore, produzem anéis mais robustos que anos ruins. É o padrão de anéis largos e estreitos em uma dada região, causado por uma sequência específica de bons e maus anos, que se tornam uma marca registrada, - uma espécie de impressão digital que rotula os anos exatos que os anéis se formaram. Assim, esses “relógios arbóreos” contribuem para datação da história do sobre a terra e são instrumento extremamente útil e preciso até onze mil anos atrás.
Pois é, tirante a passividade vegetativa do mundo botânico que não permite que ele se defenda dos seus predadores, às plantas nada falta se lhes estiverem disponíveis solos úberes de elementos nutritivos, água de boa qualidade, luz abundante e atmosfera não muito poluída. Os vegetais, via de regra são pouco exigentes e conseguem viver e se reproduzir quase em quaisquer climas, altitudes e meio ambiente deste Planeta, exceção a desertos muito quentes e calotas polares. Se um dia o bicho homem, na sua infinita sabedoria conseguir destruir-se e à maioria dos seres existentes no Planeta, provavelmente sobrará apenas tiririca, digna representante do reino botânico. JAIR, Floripa, 25/01/12.

sábado, 30 de junho de 2012

Desmatamento




Ilustração da web
Texto publicado no www.jairclopes.blogspot.com em 09/05/12.
A Constituição Brasileira, e, supõe-se, a maioria absoluta das constituições democráticas, foi erigida sobre suporte sólido, na ausência do qual o “edifício” Carta Magna não poderia se sustentar. Esses alicerces que suportam toda a estrutura legislatória do Estado são chamados cláusulas pétreas, itens “duros como pedra”, ou seja, são dispositivos impossíveis de mudança formal, constituindo o núcleo irremovível e irreformável da Constituição, impossibilitando qualquer discussão ou apreciação de matéria visando remover ou abolir esses princípios. No artigo 60 da Constituição, parágrafo 4º, estão as tais cláusulas: A forma federativa de Estado; O voto direto, secreto, universal e periódico; A separação dos Poderes; Os direitos e garantias individuais.
Obviamente não precisamos nem mencionar que “Os direitos e garantias individuais” são, de longe, os mais importantes. Esses direitos incorporam, na íntegra, a Declaração dos Direitos Universais do Homem, sendo que direito à vida, embora capitulado explicitamente na Constituição é o núcleo duro de todos os direitos não cabendo qualquer discussão a respeito.
Então quero ir um pouco mais longe, se torna-se necessário explicitar certos direitos, outros são tão óbvios e de tão marcada importância que discutir sobre a necessidade de incluí-los ou não na lei é ocioso. Vejamos, portanto. Alguém tem dúvida que a existência da humanidade e sua preservação é um direito implícito e irrevogável? Pois é, legislar sobre esse direito, sob qualquer pretexto, é de uma imbecilidade piramidal, mas é isso que se está fazendo no Congresso Nacional.
O que choca nesse caso de proteção ou desmatamento é a leviandade com que é tratado um assunto tão sério e tão primordial. A questão que está em jogo não é se queremos desmatar menos ou mais, a questão é se queremos sobreviver como espécie ou não; se assumimos ou não a responsabilidade pelo futuro das matas e, em consequência da humanidade. As picuinhas ideológicas, partidárias e até inconfessáveis limitam a visão daqueles que têm obrigação de pensar na humanidade, na vida, e não nos lucros. Os legisladores em questão, chamados ruralistas, obcecados com o dinheiro fácil obtido pelo desmatamento de áreas florestais, legislam com olho na caixa registradora, esquecendo suas responsabilidades com a vida futura. Na ocasião que Jacques Cousteau esteve no Brasil fazendo um documentário sobre o rio Amazonas, foi inquirido por um repórter sobre a necessidade de um Partido Verde. Ele se posicionou contra, e explicou: A questão ambiental é tão importante como os direitos humanos, nós não aprovaríamos um partido dos direitos humanos porque haveria a suposição que deveria existir partidos contra esses direitos, vale para a preservação do meio ambiente, se tivermos partidos que o defendam devemos concordar com partidos contrários a ele, e isso é inadmissível. Então, neste país de faz de conta, colocar a questão ambiental como um tema ser discutido como se fosse: será que o Flamengo é melhor que o Fluminense? é um acinte. Discutir a preservação ambiental é discutir se queremos um futuro para nossos (de toda a humanidade, não apenas os meus e teus) netos e, consequentemente, se queremos um futuro para o Planeta.
Há poucos dias estava em discussão no Parlamento uma matéria sobre trabalho escravo, será que nossos representantes não sabem que a escravidão foi abolida em 1888, e que, a partir de então, se tornou “cláusula pétrea” implícita nas nossas leis? Agora se discute se queremos ou não acabar com as florestas e arcar com as consequências dessa burrice. Me vejo obrigado a repetir aqui o que escrevi em “Florestas”: “A floresta não é apenas um aglomerado de plantas, não é a reunião casual de árvores, arbustos e outros vegetais; é um sistema tanto complexo como desconhecido que a ciência só agora está prestando atenção. Só quando as florestas deixam de existir por terem sido dizimadas pelos homens é que se torna imperioso observar o quanto elas significam. O exemplo mais cabal e contundente do significado das florestas ficou patente quando se descobriu a história dos rapa nui, povo que viveu na ilha da Páscoa e que, um belo dia, se extinguiu para sempre. Sabe-se que, a despeito dos rapa nui terem construído estátuas de cabeças gigantes com chapéu, (moais) as quais adornam a ilha até hoje e servem como atrativo turístico para o mundo, eles não atentaram para a preservação de suas florestas e tornaram-se vítimas de sua incúria. Há registros fósseis e arqueológicos que o povo rapa nui, numa fúria insana de construir estátuas, cabanas, artefatos e embarcações, acabou com todas as árvores existentes na ilha e isso prenunciou o fim da civilização e da coesão social culminando com a extinção das tribos e das pessoas”.
Senhores parlamentares, se tivermos vocação para rapa nui, então acabemos com nossas florestas como eles o fizeram e decretemos nossa derrocada a partir da aprovação dessa legislação florestal que está tramitando, acabemos com a cláusula pétrea que protege a vida, assumamos que não temos interesse algum no nosso futuro, só nos interessa o aqui e agora, cambada de energúmenos imprestáveis! JAIR, Floripa, 09/05/12.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

A Beleza do Ipê




O ipê é a árvore símbolo de nosso país. Durante o ano todo podemos vê-lo aqui e ali, embelezando ruas, praças, parques e matas. Se revezando em cores, seja amarelo, roxo, rosa ou branco, sempre despertam olhares e admiração pela exuberância de seu florir. Este, da foto, é de um ipê roxo.

Há muitos ipês em sua região? Qual de suas cores você mais gosta?

------------------------------------

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Rio + 20



RIO + 20, Faça Valer!!! O tempo está se esgotando!!!


--------------------------------------
  

Rio + 20



-------------------------------------

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Rio + 20

Catedral de Brasília em foto de ontem.

___________________________________

domingo, 22 de abril de 2012

Um Amanhecer no Planeta Terra









22 de abril, Dia da Terra. Há 42 anos comemora-se essa data. Não deixa de ser um alerta para todos nós sobre a destruição gradual de nossos rios e de nossas florestas. O que está realmente sendo feito?

Ande por sua cidade e seus arredores. Compare-a com seu tempo de criança. Há arborização suficiente para a renovação do ar que seus moradores necessitam diariamente, para viverem de um modo saudável, digo, com saúde?

Que pesquisas estão sendo feitas em política ambiental  para a conciliação do aumento populacional com a não degradação do meio ambiente? Vamos parar alguns minutos no dia de hoje para reflexão? 

-----------------------------------------

quinta-feira, 22 de março de 2012

Terceira guerra mundial, inevitável?

Ilustração da internet.

Texto publicado no blogue http://www.jairclopes.blogspot.com/ em 01/11/09.

Ao longo da história da humanidade as famílias, os clãs, as tribos, os povos, as nações, os países e os blocos religiosos, ideológicos e políticos estiveram mais tempo envolvidos em guerras, disputas, campanhas bélicas, revoluções e matanças, do que em paz. Registre-se que nos últimos dois mil anos apenas duzentos e cinquenta foram totalmente de paz, sem quaisquer lutas entre os Homo sapiens.
Os motivos que levaram os homens às armas contra seus semelhantes foram os mais variados e, de certa forma, evoluíram desde prosaicas rixas envolvendo pessoas exaltadas de uma família e outra em torno de paixões entre seus membros, tipo Romeu e Julieta, até guerras mundiais onde a conquista de nações por outras estava no centro do conflito. Paralelo ao desenvolvimento da urbe e das organizações políticas mais complexas como as nações, as armas envolvidas nas lutas também evoluíram de simples pedras e paus, passando pelo arco e flecha, lanças, bestas, bacamartes, canhões e bombardas, até modernas metralhadoras, mísseis inteligentes de multiogivas, aviões e navios bélicos e artefatos nucleares. Há evidências que nos primeiros ajuntamentos humanos como tribos ou vilas as disputas surgiram por causa de rapto de mulheres, bordunas e paus aguçados a guisa de lanças serviam de armas que feriam e, eventualmente, matavam. Depois, aconteceram litígios por acesso a terras férteis ou de caça abundante, onde arcos e flechas seriam usados. Mais tarde surgiam questões econômicas e de poder que levavam principados, feudos e reinos a se envolverem em guerras mais extensas, com armas mais sofisticadas e mortíferas e exércitos bem formados.

Os grandes impérios – mongol, persa, romano, britânico e otomano - se constituíram a partir de guerras de conquista, invasão de reinos e países que eram anexados ao poder central.No século dezenove as guerras napoleônicas e a consolidação de alguns países da Europa central, definiram o largo emprego de artilharia pesada e cargas de cavalarias entre potências no século vinte, as duas grandes guerras que envolveram mais da metade dos países do Planeta, foram motivadas por desmedidas ambições territoriais e oposições ideológicas, misturadas com questões econômicas, nacionalismos exacerbados e escassez de matérias primas, e fizeram uso das mais modernas tecnologias em armas convencionais, além do emprego de duas bombas nucleares.

A chamada “Guerra Fria” que seguiu após o segundo conflito mundial, era consequência de ideologias antagônicas que dividiram o mundo em áreas de influências e colocavam-se em campos opostos sob quaisquer pretextos, mantendo as populações em suspense porque ambos os lados detinham (ainda detêm) poder atômico capaz de dizimar toda manifestação de vida do Planeta. O petróleo, as religiões e o domínio de territórios foram os maiores motivadores das subsequentes guerras locais até o presente século.Segundo analistas futurólogos, não há evidências de que num futuro próximo surja no horizonte um novo conflito deproporções planetárias motivado por questões como petróleo, religião, ideologias, fontes alternativas de energia, conquistas territoriais ou escassez de matérias primas, mas, quando o assunto é ÁGUA, o cenário muda de figura.
Vivemos num mundo em que a água potável se torna um desafio cada vez maior. A escassez de água no mundo é agravada em virtude da desigualdade social e da falta de manejo e usos sustentáveis dos recursos naturais que não progridem na mesma proporção do crescimento populacional. Além disso, numa dicotomia perversa, as regiões do globo menos desenvolvidas – onde, evidentemente, se consome menos - como a África, a América Latina e partes da Ásia, detêm a maior quantidade de água doce, em detrimento de regiões desenvolvidas que consomem mais e têm menos reservas naturais do precioso líquido. Também, por ironia histórico geográfica, as regiões onde o petróleo abunda a água escasseia; riqueza oriunda do petróleo significa pobreza de fontes aquíferas, quase sempre. Na Venezuela, país grande produtor de petróleo, a água mineral em garrafas é de dez a vinte vezes mais cara que o preço de um litro de gasolina. Israel, Jordânia e Palestina: 5% da população do mundo sobrevivem com 1% da sua água disponível no Oriente Médio, nesse contexto ainda há a guerra entre árabes e israelenses. Isso poderia contribuir para crises militares adicionais enquanto o aquecimento global continua. Israel, os territórios palestinos e a Jordânia necessitam do rio Jordão, mas Israel controla-o e corta suas fontes durante as épocas de escassez. O consumo palestino é então restringido severamente por Israel. De acordo com números apresentados pela ONU, fica claro que controlar o uso da água significa deter poder.
As diferenças registradas entre os países desenvolvidos e os em desenvolvimento chocam e evidenciam que a crise mundial dos recursos hídricos está diretamente ligada às desigualdades sociais. Em regiões onde a situação de falta d'água já atinge índices críticos de disponibilidade, como nos países do Continente Africano, onde a média de consumo de água é dez a quinze litros por pessoa. Já em Nova York, há um consumo exagerado de água doce tratada e potável, onde um cidadão chega a gastar dois mil litros por dia.
Então, é quase compulsório inferir que os ricos que consomem muito mais e têm pouca água se voltarão para as regiões de fontes abundantes. Guerra pela posse água potável é uma possibilidade aterradora e bastante real dentro de uma ou duas gerações, principalmente levando em conta que aqueles que detêm poder nuclear são, justamente, os que mais consomem e menos tem acesso às fontes disponíveis de água de boa qualidade e barata. JAIR, Floripa, 29/10/09.

Água é Vida





22 de Março, Dia Mundial da Água

 Água é Vida. Use sem desperdícios cada gotinha de Vida. Outros, depois de nós, também precisarão dela.

Economizamos água quando:
  • Não deixamos torneiras pingando.
  • Eliminamos infiltrações.
  • Lavamos calçadas reaproveitando a água da máquina de lavar roupa ou utilizando um balde e nunca - nunca! - usando mangueiras.
  • Lavamos toda a roupa de uma só vez.
  • Ficamos apenas o tempo suficiente debaixo do chuveiro.
 E em muitas outras situações. E você, como economiza essa fonte de vida? Conte pra gente.

---------------

Fotos: Lago Paranoá. Fiz essas fotos no início deste mês, aqui em Brasília, na Ermida Dom Bosco.

------------------------------------

quarta-feira, 21 de março de 2012

Campanha do Dia Mundial da Água 2012

Divulgação e colaboração com o SOS Rios do Brasil

Acessem o link e vejam o que cada um pode fazer para colaborar em sua comunidade. Vamos fazer a nossa parte, ainda dá tempo!

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Consumindo Saúde

Algumas fotos dos posts do blog Multivias - A Natureza em Fotos e Variedades (Álbum: Frutos do Brasil).

Consumindo frutas, consumimos saúde, principalmente se elas forem cultivadas sem agrotóxicos, ou seja, de modo orgânico. Se você tem o privilégio de morar em casa e tem um espaço - mesmo pequeno, plante alguma frutífera. Há muitas de pequeno porte, como acerola, romã, jabuticaba, pitanga, para citar só algumas; elas podem ser plantadas também em vasos, uma boa opção para quem mora em apartamento.

Adubos Orgânicos
Para adubar suas plantas de um modo saudável, não é preciso gastar. Aproveite os restos de frutas e verduras consumidas em sua casa (como cascas, peles, folhas) e/ou também as folhas secas - tá aí um bom modo de se livrar delas e limpar o quintal, não é mesmo? - e faça uma composteira*. Não sabe? Cave um buraco em um cantinho do quintal e vá jogando os restos de frutas, de verduras e/ou as folhas secas, sempre cobrindo com terra. No lugar da terra, você pode também fazer uma tampa com pedaços de madeira ou algum outro material. Outro modo: Bata no liquidificador, com um pouco de água, cascas de frutas e de verduras. Adube as plantas, enterrando o líquido feito ao lado delas, um pouco afastado das raízes para não queimá-las com as vitaminas ainda não curtidas. Não é fácil? Então, amigo/amiga, ficou com vontade de ter ao seu alcance frutas saudáveis? Plante agora - sementes ou mudas - que você logo logo irá se deliciar. O sabor é incomparável. Plante e nos conte, combinado?

Um ótimo pomar!

------------

* No site http://casa.hsw.uol.com.br você encontra outros modos de se fazer uma composteira.

Nota: Post por mim publicado em janeiro deste ano no blog Natureza e Viver Sustentável.

-----------------------------------

sábado, 21 de janeiro de 2012

Janeiro com um pequeno Beija-flor


Sou pequeno e amo o néctar das flores. Meu recado para 2012? Que cada um traga um jardim dentro de si. E que mais e mais flores desabrochem semeando paz!

-----------------------------------
Related Posts with Thumbnails